Feeds:
Posts
Comentários

Archive for the ‘Política & Economia’ Category

Não é preciso investigar ou ser especialista para perceber: Brasília tem uma das gasolinas mais caras do país. R$ 2,67 em média. Além disso, a variação do preço entre os postos é, disparada, a menor do Brasil: R$ 0,069. Ou seja, quase nada. O “segundo pior colocado”, segundo pesquisa da ANP, o Piauí, tem uma diferença máxima de 23 centavos entre os estabelecimentos. Muito acima do Distrito Federal. A média dos estados fica entre 33 e 70 centavos de diferença de um posto para o outro. O campeão é o Rio de Janeiro, onde a discrepância pode chegar aos 95 centavos.

Postos do DF ficam atrás apenas de Tocantins e Acre no ranking dos mais lucrativos. Mesmo com fatos tão contundentes, José Carlos Ulhoa, presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Combustíveis Automotivos do DF (Sinpetro) diz não haver cartel. É tudo coincidência. O fato dos preços em Brasília serem totalmente nivelados, sem qualquer variação mínima entre eles, é “obra do acaso”. A Promotoria de Defesa do Consumidor do Ministério Público do DF não acredita na tese, e apenas critica o lucro elevado, tentando reduzir a margem da rede Gasol na justiça.

A pesquisa é feita periodicamente pela ANP, que faz o levantamento de 8.800 postos. 90 no DF.

E você, que paga a sexta gasolina mais cara do país e enfrenta o nivelamento total dos preços, o que acha?

Read Full Post »

BRASÍLIA (Reuters) – O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou nesta quarta-feira, em entrevista exclusiva à agência de informações Reuters, que o Brasil fará um empréstimo de US$ 10 bilhões ao Fundo Monetário Internacional (FMI).

“Ontem acertei com o ministro da Fazenda (Guido Mantega) US$ 10 bilhões”, disse Lula. “Esse dinheiro entra como empréstimo, e o fato de entrar como empréstimo não diminui as nossas reservas. O Brasil não poderia ficar de fora (da contribuição ao FMI)”, acrescentou. Por Natuza Nery – leia mais

O mundo não é um lugar engraçado?

Read Full Post »

Plenário cheio, momento raro

Corte nas passagens vão “economizar” 18 milhões de reais ao ano. Comemore só se não tiver mais o que fazer. Considerando que cada deputado/senador custa por volta de 200 mil reais por mês aos cofres públicos, a diminuição da cota de passagens não é nem 1 milésimo da história.

Sem contar o que fazem com as verbas conseguidas. Os recursos para cada “projeto”, etc. E um aumento do salário nominal vem por aí…já, já. Mexeu no bolso, a resposta é certa.

E se todos os trabalhadores pudessem votar seus próprios salários? Deixa pra lá. Mas não esqueça de enviar seu Imposto de Renda.

Save your money for the children.

Read Full Post »

No momento em que este post é escrito (21:19 de 21 de abril de 2009), aproximadamente 700 mil pessoas se aglomeram na esplanada dos Ministérios, com festividades diversas organizadas pelo GDF que começaram desde às 7 da manhã. Não o que se discutir quanto ao direito de se fazer uma bela comemoração, com atrações musicais e intervenções para os diversos tipos de público. Ainda que esta “festa” não tenha seus valores exorbitantes declarados e os artistas locais relegados ao segundo plano, num show antecipado na torre de TV.

Não há o que se negar, também, a beleza e a importância de Brasília. O fato da cidade ser patrimônio cultural da humanidade, ter o melhor índice de desenvolvimento humano do país e a segunda maior renda per capita, perdendo apenas para Vitória – ES. É indiscutível o projeto excepcional sob a qual ela foi fundada. Suas quadras extremamente agradáveis e com vasta área verde, dentre inúmeras outras coisas.

Isso é histórico, é próprio dela e dificilmente se tira. Mas há, sim, o que se questionar. Não só a sua história mal contada – ou contada apenas pelas vias oficiais – que se “esquecem” dos inúmeros abusos cometidos, dos assassinatos de centenas de trabalhadores, das condições insalubres e desumanas sob as quais esta cidade foi construída. Da exclusão social descarada e impiedosa, empurrando os pioneiros para loteamentos sem estrutura ao entorno do plano de piloto. Na demolição das casas dos candangos que aqui moravam e, claro, atrapalhavam as intenções governamentais e o nobre espaço das asas sul e norte pelos quais as empresas faziam, literalmente, qualquer coisa. Para mais informações recomendo (muito) o documentário “Conterrâneos Velhos de Guerra”, de Vladimir Carvalho, de 1991. Essencial. Fundamental. Imprescindível.

Hoje, em abril de 2009, Brasília padece dos mesmos problemas que toda grande metrópole do país. Quadro este oriundo diretamente do cenário descrito acima. Do descaso com o entorno e as cidade satélites – que se tornou uma das cinco regiões mais violentas do país. Dos preços inflacionados do Plano Piloto, muito em virtude do serviço público, que paga salários irreais aqui e em todo o Brasil.

Seus mais de 1 milhão de carros que tornam seu trânsito cada vez pior. Disputando um mísero espaço nas quadras do plano, entupindo as vias de acesso, provocando congestionamentos enormes, acidentes, stress e, consequentemente, a queda da qualidade de vida tão adorada por quem aqui reside.

A interrogação provocativa que está na home deste blog é símbolo de um questionamento fundamental, inescapável. Vendida como “a cidade de todas as culturas e todos os povos, que reúne pessoas de todo o país, convivendo em harmonia, sem preconceitos, etc, etc, etc”, na verdade está longe, muito longe de ser “a cidade de todos”. A propaganda oficial seria cômica, se não fosse indecente.

Para chegar aos 50 e para as próximas décadas, a capital artificial gerida sob quaisquer custos por Juscelino terá que enfrentar muitos dos problemas que ainda trata com desleixo, em marcha lenta. Resta pouco do “sonho”. A realidade que se apresenta é que, na verdade, os esforços presentes caminham para tentar amenizar o pesadelo. Dos males, o menor. Sob todas as atrocidades que já foram feitas.

“Utopia” é algo que, ao contrário do que se vende, está longe das superquadras de BSB.  Na realidade, Brasília pode ser a primeira distopia concreta do século XXI. Espero estar errado.

+

do G1: Festa do aniversário de Brasília deixa um morto e 22 feridos

Read Full Post »

Faixa na manifestação: sintomática

A disputa de forças entre o GDF e o Sindicato dos Professores vem se intensificando nos últimos dias. Na mídia, o Correio Braziliense toma partido do governo, produzindo matérias claramente tendenciosas, como essa. Aliás, é curioso constatar como que, em toda greve de servidores, os jornais e a mídia local ficam claramente a favor do governo e contra os grevistas. Os motivos são óbvios. E isto não é exclusividade de Brasília: seja aqui, em Belo Horizonte ou no Espírito Santo, o quadro é sempre o mesmo.

O motivo principal da contenda é a o alto salário médio dos professores de Brasília, beirando os R$ 5 mil reais, o grande aumento que obtiveram nos últimos anos, superando 20% e a queda na arrecadação do GDF em função da crise mundial, que representou perdas de mais de R$ 500 milhões em repasse. O problema é que o compromisso de reajuste tinha sido assumido pelo governo por lei, no final do ano passado.

E há muitas outras questões peculiares à greve que somente os professores sabem bem: plano de carreira, benefícios, etc. A luta da categoria é comum a todos os estados. Não é de hoje que professores são obrigados a se mobilizar em greves por melhor remuneração e condições de trabalho.

O GDF tem jogado pesado, colocando comunicados na TV e na capa de jornais, fazendo “apelo” aos professores pelo fim da greve e tentando atingir a população a seu favor. O Sinpro tem revidado como pode. No primeiro dia de greve, ontem, 60% das escolas foram atingidas.

Não há previsão de solução num futuro breve. E análises superficiais (e apaixonadas) não cabem ao caso. Confira mais informações sobre a greve no Delicious.

Read Full Post »

Chiclete, chiclete, quero chiclete, chiclete, chicletêêêê!

Abre aspas. “Adoro dançar. Odeio não ter aprendido a dançar tango. Gosto da internet. MSN, Orkut…Chiclete com Banana, axé. Sou chicleteiro”. Senador Almeida Lima, do PMDB de Sergipe, presidente da comissão de orçamento. Frase retirada da revista Brasília Em Dia, 11 a 17 de abril de 2009. No comments.

Read Full Post »

futebol-portugal-brasil

O jogo entre Brasil x Portugal, em 20 de novembro do ano passado, além da goleada de 6 x 2 (com Dunga tendo seu cargo garantido), a reinauguração do estádio Bezerrão, o escândalo dos 9 mil ingressos distribuídos gratuitamente, acaba de trazer novidades.

Ouvi ontem a noite no CBN Esporte Clube – na primeira vez que ouço o programa depois de muito, muito tempo – apresentado por Juca Kfouri, reportagem que trouxe a denúncia.

Segundo o repórter Gabriel Castro, o GDF assinou contrato de 9 milhões com uma empresa de fachada, de nome Ailanto Marketing LTDA, que seria de propriedade do advogado Eduardo Duarte. Eduardo foi acusado pela operação Satiagraha de ser um dos maiores laranjas do grupo Opportunity, do banqueiro Daniel Dantas. Consta ainda que Eduardo tem mais de 600 empresas em seu nome (!!!).

A empresa teria um patrimônio de 8oo R$, e as notas fiscais emitidas são de número 01 e 02.  Chama a atenção que a reforma do estádio Bezerrão custou R$ 50 milhões e o dinheiro pago para a Alianto pelos direitos apenas por este jogo, foi de R$ 9 milhões.

A Ailanto teria sido repassada, posteriormente, para o nome de Vanessa Preste e Alexandre Rossell, da ISE – empresa que detém os direitos de negociação dos jogos do Brasil – e tem sede nas Ilhas Cayman.

Juca Kfouri, em seu blog, lembra que:

Um dos membros do Comitê Organizador da Copa do Mundo no Brasil, o advogado Francisco Mussnich, não só advogou para o banco Opportunity de Daniel Dantas como é namorado da irmã do banqueiro.

Alexandre Rosell, citado na reportagem como dono da Ailanto e ligado a ISE, é mais conhecido como Sandro Rosell, ex-presidente da Nike no Brasil quando a empresa passou a patrocinar a Seleção Brasileira, ex-vice-presidente do Barcelona e íntimo amigo de Ricardo Teixeira.

O Tribunal de Contas e o Ministério Público do Distrito Federal investigam o caso.

Ouça a reportagem original de Gabriel Castro.

Read Full Post »

Older Posts »